7 dicas para ajudar seu filho a estudar melhor

7/09/2017 | Família | , , , , , ,

A educação tradicional é pautada pelo estudo de conteúdos propostos pelo MEC que fazem parte da grade curricular das escolas. A quantidade de informações que um aluno do fundamental e médio deve absorver é imensa e muitas vezes questionável. No entanto, não é o objetivo deste post entrarmos no mérito do sistema educacional brasileiro, mas sim ajudar seu filho a superar desafios de estudo e aprendizagem dentro ou fora da escola. Essas dicas tem base em palestras do professor Pierluigi Piazzi, que foi professor e especialista em neuroaprendizagem. Vamos às dicas?

1. Estude para aprender

Quando a gente aprende de verdade, dificilmente esquecemos. Quando apenas memorizamos, a coisa não funciona bem assim. Isso porque quando aprendemos formamos ligações neurais e quando memorizamos, estamos apenas guardando informações temporariamente em uma parte específica do cérebro (sistema límbico) que serve para essa função de armazenamento rápido de dados, a memória de curto prazo. O que fazer? Veja na próxima dica.

2. Não deixe seu filho estudar para a prova

Nunca diga para seu filho: “Vai estudar que você tem prova amanhã”. Você estará incentivando que ele não aprenda e sim apenas memorize. Incentive seu filho a estudar um pouco todos os dias. A ideia é que seu filho passe da condição de aluno para a condição de estudante. Passe à aprender em vez de apenas memorizar para a prova. Vamos para a prática na próxima dica.

3. Aula dada é aula estudada hoje

Aconselhe seu filho a estudar a matéria do dia no mesmo dia. A explicação para essa dica é que durante um longo período de sono o cérebro descarta um volume de informações que não estão reforçadas. Isso quer dizer que se você não reforçar para seu cérebro as explicações dada pelo professor no mesmo dia, é bem possível que ela se perca durante o sono e o estudo daquela matéria se torne bem mais difícil. Portanto, estude a matéria dada no mesmo dia antes de dormir e lembre-se: durante as aulas na escola você não está aprendendo, você está entendendo as explicações do professor. Ou seja, professor não ensina, professor explica. Você irá aprender realmente quando estudar com profundidade aquilo que foi explicado e reforçar aquele conteúdo do forma a atuar na porção do cérebro chamada cerebelo. É ele que transportará o que foi estudado para o Córtex durante o sono. E é no córtex que armazenamos informações à longo prazo num processo complexo de interligações neurais, dando-se, assim, a aprendizagem efetiva.

4. Estudo intervalado

Pesquisas de neurociência comprovam que conseguimos manter o foco por certo período de tempo. Estudar mais que esse tempo tem um rendimento muito baixo na aprendizagem. Aconselhe seu filho a estudar 30 minutos e descansar a cada 10 minutos. Cuide para que, tanto o estudo quanto o descanso não seja atrapalhado por nem tipo de distração como celular, internet, jogos. O estudo e o descanso devem ser focados.

5. Incentive a musculação cerebral

Assim como o corpo, o cérebro também pode ser trabalhado com exercícios. Na verdade, com os exercícios o cérebro cria conexões mais complexas. E qual o melhor exercício para o cérebro criar conexões? A leitura. Incentive que seu filho leia, ou melhor, que goste de ler, que se torne um leitor.

Se seu filho ainda não é um leitor, leve-o até uma livraria ou biblioteca e peça que escolha qualquer livro. Se ele começar e não gostar, diga a ele que pare a leitura e tente outro até encontrar um que goste. A grande dica é descobrir o livro “de entrada” no mundo da leitura.

A dica extra é: leia livros impressos. Pesquisas apontam que a leitura no papel é mais focada que na tela. Isso, sem levar em consideração as distrações da internet. Isso tem tudo a ver com a próxima dica.

6. Livre seu filho do mundo digital

Incentive que seu filho estude e tenha atividades sem a interferência de dispositivos digitais, especialmente pela manhã. Alguns estudos ligam o uso excessivo de dispositivos à diminuição no QI.

7. Seja presente

Uma pesquisa na França apontou que a presença dos pais na vida dos filhos ajuda, e muito, o desenvolvimento intelectual das crianças. A pesquisa demostrou que as pessoas que nasciam durante o inverno naquele país tinham um desenvolvimento médio maior, pois no inverno os pais saíram menos de casa e passavam mais tempo cuidando dos bebês.

Espero que tenha gostado das dicas e que elas sirvam para que você e seu filho levem uma vida mais saudável e que aproveitem melhor os estudos, com menos pressão e preocupação.

E, para finalizar, uma dica extra. Mas antes, clique aqui e aproveite para curtir a fanpage da Super Prática no Facebook.

8 – Seja participativo na escola do seu filho

Procure saber como a prática pedagógica é realizada na rotina escolar. Busque conhecer os professores e escutarem a visão deles à respeito do seu filho. Peça para participar das decisões pedagógicas da escola sempre que possível. Crie uma relação de confiança entre a escola, seu filho e você. Juntos trabalhamos melhor.

Até a próxima!!!