Qual tipo de açúcar usar?

11/07/2016 | Saúde

Os açúcares são importantes fontes de nutrientes, pois produzem energia rapidamente, tanto para os músculos quanto para o cérebro, mas cujo uso deve ser feito com moderação, podendo o seu excesso aumentar a probabilidade de diabetes e obesidade.

Qual tipo de açúcar usar_

Segundo a OMS, a quantidade máxima de açúcar recomendada para um adulto é de cerca de 50 gramas por dia, o que equivale a 5 colheres de sopa ou a um quarto de xícara.

Quando falamos em crianças, o cuidado deve ser redobrado, lembrando que não é recomendada a ingestão de açúcar ou mel aos menores de um ano. No entanto, se for usar, lembre-se de utilizar o mínimo de açúcar possível e quando realmente for necessário. Mas, antes de usar, não deixe de consultar um pediatra.

O consumo de adoçantes também causa muitas dúvidas, especialmente quando se trata do consumo por crianças. Médicos e nutricionistas recomendam o uso de adoçantes para crianças com excesso de peso ou diabéticas, sempre com orientação médica e nutricional adequada. Opte sempre pelos adoçantes feitos a base de sucralose ou de estévia. Para uma criança de 1 a 3 anos a ingestão diária de açúcar deve ser de cerca de 17 gramas (aproximadamente 1 colher e meia de sopa).

Cada tipo de açúcar possui um sabor e uma composição nutricional, dependendo das matérias-primas dos quais são extraídos (cana-de-açúcar, beterraba, mandioca, milho) e dos processos de refinamento pelos quais eles passam antes de chegar à nossa mesa.

É importante saber que quanto mais escuro é o açúcar, mais perto do estado bruto ele se encontra e, portanto, ele possui maior valor nutricional. O processo de refinamento confere ao açúcar a cor branquinha, por meio da adição de substâncias químicas (enxofre), sem falar que retira cerca de 90% dos nutrientes.

Para escolher o melhor tipo de açúcar, conheça cada um deles, antes de fazer a sua escolha!

Açúcar Mascavo: açúcar mais bruto, escuro e úmido, extraído depois do cozimento do caldo de cana-de-açúcar. Embora sua diferença calórica não seja considerável, se comprada aos açúcares cristal ou refinado, sua qualidade nutricional é excelente, pois como não passa pelo processo de refinamento, ele conserva nutrientes como ferro, cálcio e sais minerais. É, portanto, considerado uma das versões mais saudáveis dos tipos de açúcares. É o mais recomendado para crianças.

Açúcar Cristal: possui cristais grandes e transparentes que dificultam a sua dissolução na água. É o mais utilizado nas receitas de bolos e doces.

Açúcar Refinado: é o tipo mais conhecido dos brasileiros. Assim como o açúcar cristal passa pelo processo de refinamento, tornando-se uma “caloria vazia”, pois são retirados os sais minerais presentes.

Açúcar de Confeiteiro ou Impalpável: é o tipo mais utilizado para fazer glacês e coberturas. É obtido por meio de um processo de refinamento diferenciado, que inclui peneiramento para obter os minicristais e a adição de uma pequena quantidade de amido de arroz, milho ou fosfato de cálcio que impede que os cristais se unam novamente.

Açúcar Light: surge da mistura do açúcar refinado com adoçantes. O açúcar light adoça cerca de quatro vezes mais que o açúcar comum, fazendo com que quem o consome ingira menos calorias. Embora utilizado em menor quantidade, por ser composto de adoçantes, que são substâncias químicas, devem ser evitados.

Açúcar Orgânico: é aquele obtido sem a utilização de produtos agrotóxicos desde o seu plantio até a sua industrialização. Possui alto valor calórico, assim como todos os açúcares, exceto o açúcar light.

Açúcar Demerara: apesar de ser um pouco mais caro do que os demais, é uma boa opção pois possui mais nutrientes do que o açúcar refinado e o cristal, além de não possuir o gosto acentuado de caldo-de-cana como o do açúcar mascavo.

Melado/Melaço: é a forma líquida do açúcar. Possui alto poder adoçante. É recomendado para quem possui baixa imunidade e anemia, pois possui alta concentração de ferro, cálcio, selênio, manganês e cobre.

Mel: é mais indicado que o açúcar para adoçar os alimentos, pois além de mais saudável porque possui substâncias antioxidantes, ele é menos calórico que o açúcar. No entanto, assim como o açúcar, ele também deve ser usado com moderação. Lembramos que o mel não deve ser consumido por crianças de até um ano de idade, devido ao risco de contaminação pela toxina botulínica (recomendação da ANVISA disponível em: http://www.anvisa.gov.br/divulga/noticias/2008/190808.htm)